Agroconceito – Apoio técnico e consultoria agrícola

Poda em escalada

Escalada - Site

Objetivo:

Capacitar os formandos com conhecimentos práticos para escalada de árvores e movimentação na mesma assim como a utilização segura e correta de ferramentas de corte manuais e moto-manuais.

Conteúdos gerais:

Identificar os riscos inerentes e gerir os mesmos

Identificar e selecionar o Equipamento de Proteção Individual adequado à prática de escalada de árvores

Identificar e executar corretamente os diferentes nós associados à atividade

Conhecer e aplicar as diferentes técnicas de ascenção/descenção

Deslocar-se com segurança vertical e horizontalmente

Coordenar os trabalhos com a equipe de solo

Realizar descenção segura de ramos ou secções da árvore

Familiarizar-se com os procedimentos de emergência

Público-alvo:

Empresas de manutenção de redes secundárias de gestão de combustível; empresas de manutenção de espaços verdes;  podadores; arboricultores


 

Caso pretenda inscrever-se

transferir

 

Selo Trans 1

 

Para mais informações, contacte-nos: [email protected] | 239 853 211

Web Design MymensinghPremium WordPress ThemesWeb Development

Fui publicado o plano provisional de abertura das candidaturas PDR 2020 para 2019

Estatuto do Jovem Empresário Rural aprovado em Conselho de Ministros

“Dada a importância do tema e à sua cada vez maior relevância, praticamente à escala mundial, tem em Portugal assumido um particular destaque, devido a um interior quase sem pessoas, com residentes cada vez mais envelhecidos, com pouco investimento e a perder paulatinamente serviços, sem os quais não se consegue fixar pessoas”, diz o documento, acrescentando que a 11 de novembro de 2017, acrescentou aos estatutos da AJAP a figura do JER, por forma a conferir legitimidade à Organização, na defesa e insistência para que esta fosse legislada e aceite pelo Governo e tudo faremos para que lhe possam ser associados meios, prioridade e incentivos. “Estas duas figuras (Jovem Agricultor e Jovem Empresário Rural) são distintas, é certo, mas complementares, pois convivem e podem interligar-se no Espaço Rural e dar um excelente contributo para que o Interior possa rejuvenescer, tornar-se mais dinâmico, empreendedor e gerar postos de trabalho”, termina, reforçando que “Portugal precisa, e o Governo está de parabéns porque reconheceu e fez o que lhe compete”.

Voz do Campo, 18 Dezembro 2018

Decisões da política agrícola dependem do próximo quadro orçamental

O Conselho Europeu decidiu protelar a decisão sobre o Quadro Financeiro Plurianual (QFP) para final de 2019, disse Luís Capoulas Santos aos jornalistas, salientando que entre os ministros da Agricultura da União Europeia (UE) "a negociação sobre os aspetos técnicos vai prosseguir", mas sem se saber qual a verba prevista para PAC. "Para o país, não interessa o momento da decisão, interessa é que quando a decisão for tomada, esta seja boa", disse o ministro, à margem do Conselho de ministros da Agricultura da UE. "O adiamento pode comportar vantagens ou pode comportar riscos", salientou, reiterando que os objetivos de Portugal são melhorar ainda mais o primeiro pilar, consolidar a manutenção do POSEI (fundos para as regiões ultraperiféricas, como Açores e Madeira), aumentar a dotação financeira do segundo pilar e reduzir a taxa de cofinanciamento nacional. O primeiro pilar da PAC diz respeitos às ajudas diretas que são pagas aos agricultores e o segundo às verbas para o desenvolvimento rural, custeadas em cofinanciamento pela UE e pelos Estados-membros. "Consolidar o que já está adquirido, mas queremos ir um pouco mais longe, sendo a questão central a necessidade do reforço do envelope financeiro nacional", afirmou. As negociações sobre o próximo QFP prosseguem, com o horizonte do outono de 2019 para ser fechado um acordo.

Agrozapp, 18 dezembro 2018